Dieta genômica: a dieta feita especialmente para você

U Fabíola Cunha    t 25 de julho de 2017


Uma das críticas mais comuns a respeito de dietas é que elas são padronizadas e não respeitam as diferenças entre os seres humanos. Pois a dieta genômica propõe justamente a personalização total da alimentação.

Essa estratégia entende que cada organismo lida com os alimentos de formas diferente. Isso tem base nas informações oferecidas pelo material genético de cada pessoa.

O que a dieta propõe?

dieta genômica

Para oferecer um cardápio que promova mudanças, é preciso entender as peculiaridades e necessidades de cada um. Como o corpo de um indivíduo reage à ingestão de carne vermelha e leite pode ser totalmente diferente de outro.

Seja para emagrecer, ganhar massa muscular ou engordar, é preciso entender os genes. Descobrir o perfil genético da pessoa é o primeiro passo.

Claro, essa não é uma dieta que pode ser feita sem o acompanhamento de um médico ou especialista no assunto. Mesmo porque os exames devem ser solicitados de forma detalhada.

Metabolismo, acúmulo de gordura, deficiência de absorção de nutrientes – tudo isso varia de corpo para corpo. Exames de genômica nutricional fornecem informações importantes. Entre elas como o corpo está programado para reagir aos alimentos e também aos exercícios.

Sabendo como o corpo processa proteínas, carboidrato e gorduras, é possível recomendar uma dieta com mais ou menos de cada um desses itens.

Quais são os exames da dieta genômica?

dieta genômica

Os exames para conhecimento do DNA são feitos com a coleta de saliva ou sangue. Duas das opções possíveis no Brasil são o exame Pathway fit e o Genômica Nutricional.

Eles apontam que tipo de exercícios e quais os alimentos mais benéficos para a pessoa. São exames complexos, cujo preço fica na casa dos R$ 2 mil.

O preço pode assustar e, portanto, o tratamento não é indicado para quem quer reduzir apenas alguns quilos na balança. Com o conhecimento sobre como o corpo lida com alimentos e exercícios, a mudança é para sempre.

Os genes podem determinar não apenas quais nutrientes são melhor aproveitados, mas o nível de fome que uma pessoa pode vivenciar.

Ainda é preciso melhorar a estratégia

dieta genômica

Um estudo de 2015 determinou 140 pontos do genoma humano que estão ligados ao excesso de peso. A obesidade não é resultante de um único gene.

Porém, ainda faltam estudos que comprovem a eficácia dessa abordagem. A obesidade é reconhecidamente uma doença com múltiplas causas.

Quer saber mais sobre o assunto? Veja nossa matéria sobre como a genética influencia no emagrecimento.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *