Triptofano: você sabe para que serve esse aminoácido?

U Fabíola Cunha    t 27 de fevereiro de 2017


Um aminoácido essencial, não produzido pelo organismo, é aquele que deve ser obtido pela alimentação. Um dos mais importantes dessa categoria é o triptofano. Junto com a niacina, a Vitamina B3 e o magnésio, ele atua como precursor da serotonina, um neurotransmissor responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

Saiba mais sobre a serotonina!

triptofano

Assim, ele tem relação direta com o comportamento alimentar, a fadiga, o sono. Mas não só isso: ele também está ligado à produção de insulina e do hormônio do crescimento.

O triptofano pode influenciar diretamente em casos de:

  • Melhora do humor
  • Compulsão alimentar
  • Insônia
  • Tensão pré-menstrual (TPM)
  • Controle do peso

triptofano

  • Depressão
  • Diminuição da hiperatividade
  • Redução da ansiedade
  • Alívio da enxaqueca
  • Diminuição da sensibilidade a dor

Alimentos ricos em triptofano

  • Carnes magras
  • Peixes (atum e salmão especialmente)
  • Leite e derivados
  • Leguminosas (lentilha e feijão azuki)
  • Chocolate amargo

triptofano

  • Abacaxi
  • Banana
  • Kiwi
  • Aveia
  • Linhaça
  • Quinoa
  • Castanhas
  • Semente de abóbora

Suplementos

triptofano

Em cápsulas é possível encontrar suplementos à base de triptofano, na forma de L-triptofano. No entanto, a recomendação para uso de suplemento deve ser feita por especialistas.

Pessoas em tratamento com antidepressivos não devem tomar o suplemento sem orientação, pois a interação pode levar à síndrome serotoninérgica – quando o nível de serotonina fica acima do ideal. Grávidas e lactantes também não devem fazer a suplementação.

O consumo excessivo de triptofano dificilmente ocorre quando se faz apenas a ingestão de alimentos contendo esse aminoácido. O problema é quando há suplementação de forma indiscriminada. Os sintomas do exagero no consumo são: náuseas, cefaleia, sonolência e síndrome eosinofilia-mialgia (cujos principais sintomas se parecem com gripes associados à alterações neurológicas).


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *