Exercício Aeróbico em Jejum, Benefícios e Riscos

U Marcos A.    t 8 de novembro de 2013


Pesquisas confirmam: fazer pelo menos 30 minutos de caminhada todos os dias ajuda a prevenir uma série de doenças. Mas nenhum tipo de exercício físico pode ser realizado sem uma fonte de energia eficaz. Nosso organismo necessita de energia para tudo o que faz e principalmente para atividades de maior intensidade.

O que é exercício aeróbico?

O que difere a execução de um treino aeróbico de um anaeróbio é a utilização de oxigênio para gerar energia para os músculos. Essa atividade consegue trabalhar grande quantidade de grupos musculares de uma única vez. São atividades como caminhada, natação, pedalar, dançar entre outros. Os exercícios são realizados em intervalos de tempos maiores e que não exigem uma geração de força explosiva por parte dos músculos.

Caminhada

Alguns benefícios que esse tipo de atividade trás são:

  • Melhora do condicionamento cardiovascular;
  • Aumento do fluxo sanguíneo, melhorando assim o retorno venoso;
  • Melhora no fortalecimento muscular;
  • Elevação do número de células da série vermelha que são responsáveis pelo transporte de oxigênio;

Alterações da Potência Aeróbica

A primeira alteração mais perceptível é a melhora da capacidade de realizar exercício submáximo prolongado e melhora na capacidade aeróbica máxima. As variações individuais devem ser levadas em consideração, pois um indivíduo pode melhorar de 20 a 30% sua resistência submáxima enquanto outro pode melhorar apenas em 5%.

natacao

Outro fator que deve ser levado em conta é o condicionamento físico que a pessoa apresenta quando inicia o treinamento. Aqueles que já possuem um bom nível de condicionamento apresentará menores variações do que os que levam uma vida mais sedentária.

Adaptações Musculares

Quando você começa a ter uma frequência de exercícios, o organismo começa a se adaptar para o novo estilo de vida. As alterações variam indo desde mudanças no tipo de fibra muscular até atingir o funcionamento da mitocôndria. A maioria das atividades aeróbicas depende das fibras lentas, a tipo I. Com o estímulo frequente, essas fibras apresentam-se 7 a 22% maiores do que as fibras de contração rápida (tipo II).

adaptacoes musculares

Esse aumento nas fibras de contração lenta podem ajudar a trazer maior quantidade de oxigênio e outras fontes de energia para grupos musculares que seriam usados em atividades mais intensas como a corrida de curta duração. Também pode haver uma sutil modificação nas fibras de contração rápida tipo b, que se convertem em “a” para de adaptar ao exercício que é longo e exaustivo.

Adaptações sobre as fontes de energia

A demanda de um treinamento aeróbico sobre as fontes de energia, sem dúvidas, é muito grande. O principal objetivo do corpo durante o treinamento de endurance é sempre de tornar a produção de energia o mais eficaz possível e fazer com que a fadiga demore mais tempo para aparecer.

O glicogênio é o principal composto utilizado para a captação de energia no exercício. Ele é renovado a cada sessão e o corpo que está em treinamento acaba armazenando uma maior quantidade dessa substância extraída do carboidrato da dieta. Ter uma maior reserva de glicogênio permite que o corpo treine por mais tempo.

Close up of a plate of stir fry pork

A gordura possui altas quantidades de glicogênio e o músculo que está sendo frequentemente submetido aos exercícios aeróbicos contém uma quantidade maior de gordura. Essa gordura fica armazenada em forma de triglicerídeos que aumenta consubstancialmente após algumas sessões de corrida de longa distância, por exemplo.

Exercício em jejum

Depois do que foi dito acima fica evidente que fazer qualquer tipo de exercício físico em jejum não é nada produtivo. Não apenas para o condicionamento aeróbico, mas também para o anaeróbico. Se você não ingere uma boa quantidade de carboidratos antes da atividade física, os músculos ficarão sem energia e chegarão à fadiga muito mais rápido que o normal.

Para quem deseja utilizar-se disso para perda de gordura, pode haver algum resultado mas as consequências podem ser muito piores. Quando nos exercitamos em jejum o organismo vai buscar o glicogênio da gordura, que o possui em maior quantidade. Mas só tem um pequeno detalhe: além do fato de que você só vai conseguir se exercitar por poucos minutos porque vai entrar em hipoglicemia, o organismo que não possui grande quantidade de energia tende a armazenar toda a comida ingerida.

jejum

É que na verdade o que o corpo entende como jejum é uma falta de comida. É como se o corpo estivesse passando por tempos difíceis e uma privação severa de energia. A primeira resposta do organismo é realizar um belo estoque para não faltar fonte energética para as atividades básicas. Ou seja, o tiro pode sair pela culatra.


Deixe uma resposta